pexels-mehrad-vosoughi-3687999

Rótulo de alimentos: aprenda a ler e entenda como ele impacta na alimentação

Ter conhecimento sobre o que você come é de extrema importância para a saúde. Por isso, saber ler o rótulo de alimentos é fundamental, pois ele serve como uma forma de comunicação a respeito dos componentes do produto para o consumidor.

Obrigatório desde 2001 em mercadorias reguladas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), muitas pessoas ainda não sabem como ler as informações que constam nos rótulos. Diante disso, a Gaslog separou algumas informações para você ter conhecimento sobre o que consome, bem como orientar outras pessoas a respeito deste assunto.

Continue lendo o texto e saiba mais sobre o rótulo de alimentos.

Primeiramente, você precisa entender a lista de ingredientes

Assim como o próprio nome já diz, essa lista traz para o rótulo todos os ingredientes utilizados no produto em ordem decrescente – ou seja, o componente que está em maior quantidade sempre é o primeiro indicado e o que está em menor quantidade é listado por último. 

É importante ressaltar que alimentos de ingredientes únicos, como arroz, farinha ou feijão, por exemplo, não precisam apresentar lista de ingredientes.

E a tabela nutricional, o que quer dizer?

Encontrada facilmente no rótulo de alimentos, a tabela nutricional traz ao consumidor informações sobre a composição do alimento industrializado. 

Por determinação da Anvisa, os itens abaixo são obrigatórios em todas as tabelas nutricionais:

  • Porção: quantidade média recomendada para o consumo para manter uma alimentação saudável.
  • Valor energético: energia produzida pelo corpo a partir dos carboidratos, proteínas e gorduras totais do produto.
  • %VD: sigla de Valores Diários, é a quantidade de nutrientes que a pessoa deve ingerir por dia.
  • Carboidratos: fonte de energia para as células do corpo.
  • Proteínas: componentes dos alimentos para a construção e manutenção de alguns órgãos, tecidos e células.
  • Gorduras totais: soma total de todas as gorduras.
  • Gorduras saturadas: gorduras encontradas principalmente em produtos de origem animal.
  • Gorduras trans: tipo de gordura que não é recomendada para ingestão, a gordura trans é encontrada principalmente em margarinas, biscoitos, sorvetes e salgadinhos.
  • Fibras alimentares: elementos que ajudam no controle das taxas de glicemia e colesterol.
  • Sódio: recomenda-se a ingestão diária de até 2g por dia.
  • Glúten: tipo de proteína encontrada em cereais.
  • Lactose: açúcar encontrado no leite e derivados.

Como é calculado o prazo de validade do alimento?

Também encontrada no rótulo de alimentos, o prazo de validade nem sempre é analisada por quem compra o produto – hábito que que precisa ser mudado.

Todos os produtos devem apresentar pelo menos o dia e o mês de validade, quando ela for inferior a 3 meses, e o mês e o ano quando for superior a 3 meses. Vários fatores influenciam o prazo de validade, os quais podem ser intrínsecos (como umidade e pH) ou extrínsecos (condições de embalagem, materiais e condições de armazenamento). 

Essas informações, quando detalhadas, garante ao consumidor a qualidade do produto depois de comprá-lo e na hora de consumi-lo.

Outras questões importantes a saber

O rótulo de alimentos pode – e deve – ser bem completo. Portanto, confira outras duas informações que podem aparecer na embalagem:

  • Diet, light ou zero: produtos diet são aqueles destinados a dietas com restrição de nutrientes, como açúcares, gorduras, proteínas ou sódio; já os light têm redução de 25% de  de sódio, açúcares, gorduras ou colesterol; por fim, produtos zero não apresentam algum componente em particular, como açúcar, gordura ou sal.
  • In natura, minimamente processado ou processado: alimentos in natura são obtidos diretamente de plantas ou de animais, sem sofrer qualquer tipo de alteração; os produtos minimamente processados são os in natura que foram submetidos a algum processo de limpeza, remoção de partes não comestíveis, refrigeração, etc.; e alimentos processados são fabricados pela indústria com adição de sal, açúcar ou outra substância de uso culinário.

Se o post te inspirou não só a ficar mais de olho nos rótulos de alimentos, mas também a cozinhar mais, confira estes artigos com receitas incríveis: